segunda-feira, 23 de novembro de 2009

antes de o Tempo ser Tempo # 4


Era uma vez, uma velha muito velha, que não fazia outra coisa senão fiar. Dia e noite, noite e dia, fiava, fiava, roca e fuso sempre a trabalhar, novelos e novelos de alvo algodão imaculado, tão brancos eram, como negra cada sua mão, traçada e rilhada de tanto fio fiar.
E vinham as comadres, velhas menos velhas do que ela, que não se cansavam de lhe perguntar, para que lhe servia tanto fio, que toda a vida a tinham visto fiar. E da mesma forma ela sempre respondia, que um dia chegaria aquele em que serviria todo o fio fiado, porque o seu destino seria, aquele que uma Fada lhe fadaria, e que a recompensa decerto seria do seu agrado.
Mas, o que é certo, certo, é que a velha se finou, e o destino, esse, às comadres nunca se revelou.
Nem podia.
Como é que alguém acreditaria, que, depois de finada, a velha continuaria a fiar tanta fiarada? E, quem diria, que cada fio perfeitamente saberia a tarefa premeditada?
Ai querem saber o que viria a acontecer? Então escutem bem o que vos vou descrever:
Do novelo do sol se soltava, uma e outra ponta desembaraçada, que, depois de fiada, sozinha formava uma hábil laçada. Da direita para a esquerda e da esquerda para a direita, os fios se fundiram em trama bem feita, forrando o céu pelos Deuses pisado, de um fofo e alvo atapetado.
Contentes com o seu novo piso, os Deuses abriram o seu raro sorriso e a velha recompensaram, com um palácio fulgente, que ela habitaria eternamente, e de onde veria, até onde a vista alcançasse, todos os fios dos tapetes que a Fada lhe dissera que fiasse.

Fantasia? Nem pensar!! Ora espreitem lá o palácio a ofuscar...

Fotos minhas, algures no céu da Europa

15 comentários:

Lúcia disse...

Que loucura SI...
Não sei comece já a fiar... mas se é só para o depois... nã! Prefiro compensações mágicas mais... rapidinhas, imediatas e que eu as possas gozar com os meus!:)
Boa semana.

Pitanga Doce disse...

Ai como eu gosto de ver esse tapete fofo e alvo e o palácio a ofuscar! Só não sabia quem os tinha posto lá.

bom dia Si

Patti disse...

É caso para dizer que quem fia sempre alcança.
Que bonita fiação de filamentos, afilados.

Kristal disse...

Gostei da estória,mas cá para mim preferia que a fada me tivesse fadado algum descanso e alguma recompensa cá na terra!Que quer Si?
Esperar pelo outro Lado?
Ainda bem que, nas histórias de faz-de-conta,tudo deve acabar em bem e esta com aquela foto...
Parabéns

Gi disse...

E eu que pensava que era algodão doce! Oh! Já não bastava eu ter deixado de acreditar no Pai Natal, agora a Si tirou-me a última ilusão da minha vida. E que doce ilusão era. ;)

fugidia disse...

Deliciosa, Si, a sua sensibilidade a escrever, que tão bem conjuga com as músicas :-)
Saio daqui apaziguada e pronta para voltar ao trabalho :-)

Rosa dos Ventos disse...

E eu sem saber fiar...e a ficar uma velha sem préstimo! :-))

Abraço

Pepper disse...

Muito bonito! :)

Beijinhos

Luísa disse...

Si, acho que, depois do que fiquei a saber, já não sinto tanto medo das alturas e dos aviões. ;-D

cristina ribeiro disse...

Como sempre, encontrei aqui a poesia, desta vez na ponta da meada saída da roca.

paulofski disse...

E um fio ficou na roca de fiar que a Si teceu em palavras de seda.

Lindo

JPD disse...

Como gosto de ler quem gosta de escrever, voltarei a passar.

Saudações

Eva Gonçalves disse...

...e depois??? A seguir... o que acontece??? Quero mais!:)

Justine disse...

Pronto, lá vou eu embarcar da próxima vez muito mais relaxada:))
(belíssimo tapete de fantasia, fiado com as palavras certas...)

pedro oliveira disse...

Acredita numa louca de trabalho e problemas de lana caprina profissionais sabe bem ler os teus escritos.
bjs
nunca mais é sábado...