sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

pedro

Algures pelo caminho, a porta fechou-se e trancou-o lá dentro. A música, os ritmos, os risos, agora eram só dele, feitos por ele, para ele. Perdia tardes imensas a ouvir aquelas melodias, compassos voadores, de tons e meios tons, sustenidos e sentidos na sua máxima vibração. Saíam-lhe por entre os dedos as colchetas e as semifusas, para uma flauta de vento, que ostentava no ar. Em compasso binário, embalava o corpo, dançava uma dança só sua, inventava palavras que nunca tinham sido escritas, para compôr uma letra que só ele compreendia, juntava-lhe as sequências repetidas do bater de um tambor imaginário. Sempre a sorrir. Sempre a ondular o corpo. Tão presente e tão ausente naquele olhar que evitava cruzar com outros olhares. Tão perfeito. Tão uno consigo mesmo. Tão seguro no seu mundo que dele nunca iria sair. Nem deixar ninguém entrar.





11 comentários:

BlueVelvet disse...

Si,
esta é uma das doenças que mais me angustiam e impressionam.
A total incapacidade de entrarmos no mundo deles.
Embora se vão fazendo alguns progressos, são tão pequenos e tão lentos.
Infelizmente.
Beijinhos de mim para Si

Vekiki disse...

Si, os autistas são mesmo crianças muito especiais, muito diferentes e, para todos nós, um mistério. Vai até http://blogdoscinco.blogspot.com. Está lá hoje um post, um desenho, feito por uma destas crianças.
Um beijo enorme para ti :-)

pedro oliveira disse...

É bom lembrar que estas crianças existem, fico sempre na dúvida se o meu país nestas e noutras doenças faz tudo para que elas, as crianças, vivam bem.
bom fds

Gi disse...

Há tantos tipos de autismo; em muitos autistas estão encerrados verdadeiros génios.
Tenho um primo direito que é autista e não há quem o bata em certos assuntos da sua predilecção.

Miepeee disse...

Belissimo post.
Deve ser tao doficil lidar com criancas que padecem desta doenca, os pais devem sentir uma agustia enorme.
Beijinho.

paulofski disse...

Temos imenso orgulho na nossa criança das mil vezes e sempre estaremos profundamente agradecidos à dedicação e ensinamentos que nos deram para criaro futuro do nosso menino.

Si disse...

Paulo,
Já disse aqui que muito do que escrevo tem a ver com aquilo que por aqui leio.
O seu blog tem a distinta função de lembrar a todos que alguns de nós vivem de maneira diferente, sendo diferentes aos olhos de todos.
E isso fez-me lembrar o Pedro, que já não vejo há um tempo, mas que merece não ser esquecido, e de outros, que referirei em breve.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Opoprtuníssimo este post de alerta, Si!

Patti disse...

Podia falar tanto sobre o tema Si...mas a net não é para mim um meio de exposição a esse nível.

Linda sinfonia.

Coragem disse...

A porta ao fechar-se trancou o Pedro, tantos Pedros, que se encontram trancados sem que, a maior parte de nós tenha acesso à chave e poder trazer estas crianças até nós.
Mas, e de uma forma extraordinária, a Si conseguiu transportar-nos a nós, até estas crianças.

Beijinho

Filoxera disse...

E há tanto para fazer nesta área, tantos pais angustiados, infelizmente...
Beijos.