sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

adversidades

Esta entrevista já foi feita há um ano atrás. Recentemente, o Pedro Lima, de quem sou amiga pessoal, esteve no programa 'Fátima', mas a reportagem não ficou disponível on-line, pelo que não a pude publicar aqui.

Gostaria de o ter feito, porque aí poderiam ver melhor a vida independente, divertida e profissionalmente bem sucedida que o Pedro tem, apesar da adversidade lhe ter batido à porta, aos 27 anos, numa explosão de pedreira, que lhe roubou a visão para sempre.

Conheci-o na piscina, onde nada todas as semanas e onde o companheirismo é tal, que nos juntamos frequentemente para almoçaradas ou jantaradas, para assistir a concertos ao vivo ou simplesmente para beber um copo e onde, no balneário dos homens, dar o ombro ao Pedro para que ele coloque lá a mão que o vai guiar, se tornou tão normal como tomar duche no final da aula.

O vídeo é um pouco longo, mas se tiverem alguns minutos diponíveis, vejam, ouçam e reflictam sobre aquilo que tomamos por certo todos os dias e que em breves momentos nos pode escapar das mãos para sempre, sobre períodos da nossa vida em que pensamos que tudo desabou sobre a nossa cabeça, quando afinal saímos deles ilesos e sãos, sobre fins definitivos e recomeços do nada, que tudo compensam, afinal.

9 comentários:

salvoconduto disse...

Para nos acontecer coisas como estas só precisamos de estar vivos e eu sei porque falo assim. Exemplos como o Pedro é que são precisos muitos mais.

Antonio saramago disse...

Eu admiro a coragem destas pessoas, penso que se fosse eu a ter uma fatalidade destas, nunca seria capaz de lutar por nada.
Grande lição de coragem e de vida...

pedro oliveira disse...

Irei ver este fds semana em casa, pois estes exemplos de vida fazem-nos parar para reflectir.
PO
vilaforte

Gi disse...

Infelizmente, no emprego não consigo ver vídeos, porque eles "empancam-me" o pc e, em casa, agora não tenho net.
Também tenho um amigo que cegou devido a um acidente e, para nós, a maneira como encarou o problema e o modo como leva a vida, faz-nos esquecer que cegou.
Um verdadeiro exemplo de vida.

PS.: Espero que esteja tudo bem conSIgo; habituamo-nos a conviver com as pessoas, diariamente, e quando elas não nos aparecem telefonamos, mandamos sms's, emails ou escrevemos um PS.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Não consigo aceder ao video, por razões que desconheço.
De qualquer modo,já percebi que se trata de um exemplo de coragem que vale a pena realçar.
Conchinhas

Patti disse...

Eu assisti tudo até ao fim. Um verdadeiro lutador e de excelente carácter para 'aceitar' este revés na vida dele.

paulofski disse...

Só agora estou a ouvir o Pedro a conversar sobre si e sobre o que tem vivido na sua recente etápa de vida. Fiquei sensibilizado pela sua força, e pela forma como tem ultrapassado esta dificuldade, e não fatalidade. A palavra chave é mesmo a auto-estima.

Bom fim-de-semana

Miepeee disse...

Um exemplo de vida, fez-me lembrar uma entrevista que vi ha uns anos com um deficiente visual que adorava ir ao estadio assistir jogos de futebol e levava consigo um pequeno radioi de pilhas por onde ia acompanhando o jogo. Vibrava mais do que muitas pessoas que estavam a assistir com os proprios olhos.
Excepcional a forma que o ser humano tem de se adaptar as adversidades da vida e a coragem que cada um descobre num momento em que parece que o mundo desabou.
Beijinho.

Fatima disse...

Exemplos de vida
Tive um colega de trabalho, que cegou aos 12 anos.
Descrevia duma forma impressionante as cores do Douro.
Conhecia ao pormenor todos os sítios por onde passava...

http://simecqcultura.blogspot.com/