sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

a educação dos nossos filhos # 7






A semana passada, iniciei uma reflexão sobre o mundo virtual, o acesso a ele, por parte dos filhos e o comportamento dos pais, na mesma circunstância.

O melhor exemplo para ilustrar o 'lado negro' da internet, é mesmo falar dos riscos que, filhos e pais, realmente, correm, sempre que se ligam à rede. Se, infelizmente para o nosso país, a nossa justiça é muito corrompida, esquecida ou branda, há locais neste planeta, onde o 'Big Brother' existe de facto, para bem ou para mal dos seus habitantes, facto que, desde já, ponho de parte, e nem sequer opino.

Indo directa ao assunto, já muitos serão os vizinhos deste blogobairro, que, saberão do que falo, bastando, para isso que sejam espectadores mais ou menos assíduos do canal Fox Crime da TV Cabo, e de um programa chamado 'Predadores'.

Neste programa, uma equipa enorme de 'iscos', pessoal treinado pelo FBI para se fazer passar por outrém, liga-se à internet, passeando, durante largos períodos de tempo, pelas salas de chat mais frequentadas dos EUA. A maioria, personifica raparigas, entre os 12 e os 15 anos, que se demonstram disponíveis para o acto sexual. De referir, que nenhum(a) deles(as) dá o primeiro passo ou faz qualquer tipo de propostas, apresentando-se sempre e apenas com uma linguagem e forma de escrever o mais próxima possível da realidade dos jovens americanos.
São processos lentos, de semanas ou meses, em que se ganha a confiança de quem está do outro lado do pc, escondido em 'nicks' mais ou menos explícitos das suas intenções. Todas as conversas são gravadas e impressas em papel, para que possam servir de prova em tribunal, e acumulam folhas atrás de folhas, com pormenores detalhados, e até fotos ou filmes de webcams que os mais 'tarados' - desculpem-me mas não encontro outra palavra mais adequada - enviam para o 'isco', em actos de natureza sexual explícita.

Mas não ficam por aqui. Depois de se certificarem das intenções do 'Predador', que a todo o momento tem consciência de estar a falar com uma jovem entre os 12 e os 15 anos, marcam encontro, numa casa previamente preparada para o efeito, e onde, supostamente, a jovem irá estar sózinha. Delicadamente, aquele, normalmente oferece-se para levar todo o tipo de acessórios, desde preservativos a lubrificantes, passando por ursinhos de peluche, máquinas fotográficas e de vídeo.
Refira-se, entretanto, que nessa casa, estará, então, uma actriz de características físicas semelhantes às de uma adolescente, que o convida a entrar e sentar-se, mostrando-se nervosa e querendo saber o que é que é suposto fazerem com ela. Quando começam a revelar as suas intenções, o apresentador do programa entra em cena, a actriz sai e o 'Predador' é confrontado com perguntas incómodas sobre os seus objectivos e, mais ainda, com as resmas de folhas onde estão transcritas todas as suas conversas no chat. A maior parte tenta negar, desculpar-se ou até fugir, mas, mal sai da porta, é logo preso pela polícia que o espera, sendo que a reportagem só acaba depois da fase de interrogatório na esquadra e com a apresentação do preso ao juíz, onde lhe é atribuída uma sentença provisória, normalmente sem direito a fiança.

Curiosamente, a maior parte dos predadores tem entre os 20 e os 55 anos, são casados e até pais de filhos, mas apresentam-se ali com total disponibilidade para ter um episódio de relacionamento sexual com uma criança. E desiludam-se os mais crentes, porque o mais fantástico é que, com este método, não conseguem apanhar um, mas vários predadores na mesma tarde!

Não discuto o sistema penal americano, não discuto a invasão dos 'reality shows' em prol de audiências, não discuto a pobreza moral de algumas intenções que até possam parecer nobres, apenas deixo uma pergunta no ar: será que na maior parte dos adultos reside um potencial predador??

19 comentários:

Antonio disse...

Si,

este um dos temas mais sensíveis e mais preocupantes.

As ameaças são constantes em todos os ambiente, em particular na Internet. A minha questão não é tanto se nos adultos reside um potencial predador, mas se nos ambientes da internet onde os jovens navega, não existe por lá um potencial elevado de predadores!...

E nesses ambientes de internet, nós na maioria das vezes, não conseguimos controlar o acesso dos nossos filhos.

Tretces preocupadas e solidárias para Si.

salvoconduto disse...

A maior parte dos adultos deixaram de se educar. Quer queiram ou não é uma tarefa infindável, apenas vai mudando o educador.

Si disse...

Tretoso António,
A minha questão é posta desta maneira, propositadamente. Pretendo reflectir se não bastará proporcionar um ambiente adequadamente tentador para que os instintos 'predatórios' dos animais que somos se revelem.
E isso é o que, para mim, ainda se revela mais preocupante.

Si disse...

Salvo,
100% de acordo.
E com as novas tecnologias, as situações têm consequências cada vez mais graves.

Coragem disse...

Si, a essa pergunta, eu respondo que não, simplesmente porque quero acreditar nisso.

Cá, no nosso país, também existem pessoas (investigadores) que navegam em salas de chat, tentando controlar os "nossos" predadores. No entanto a prevaricação, não é válida nos nossos tribunais, a não ser autorizado pelos mesmos, no maximo, caso haja suspeitas fundadas, podem adquirir mandatos para se fazer uma peritagem aos computadores desses senhores, com sorte (para a investigação, claro)consegue-se material de cariz pedófilo, e aí poderá ter lugar a um processo crime.

Mas, nós Pais, devemos estar sempre alertas.
Eu mesma, há já algum tempo, após estar atenta a uma conversa de chat, entre, supostamente, um predador e uma adolescente. Saí da sala, entrei de novo e fiz-me passar por uma menina, de 12 anos, com conversas proprias da idade.
Imediatamente tive de sair, senti tanto nojo, que não tive condições para continuar. Digo ainda, que, por ser adulta e atenta, soube contornar, imagino ser uma criança no meu lugar.

Beijinhos (e todo o cuidado é pouco)

Si disse...

Coragem,
Mas também não admira, porque no nosso país nem sequer se pode dar tatau nos 'tadinhos dos criminosozinhos, que apontam armas e disparam sobre vítimas, porque estamos a atentar contra as suas liberdades individuais e o seu direito à privacidade, não é????
E o que fez, eu também já fiz, exactamente com o mesmo resultado, e com o mesmo sentimento.

Ka disse...

Tal como um ambiente húmido e sujo é ideal para uma colónia de bactérias, a internet é dial para este tipo de predadores.

^Repare que aqui na blogosfera e num ambiente predominantemente adulto os há e não são poucos, procuram pessoas fragilizadas, carentes, vulneráveis.
No caso das salas de chat é óbvio que haverá um nº enooorme de predadores e como esta é uma realidade que existe e não irá desaparecer cabe aos pais dar armas aos filhos para se defenderem. Não será tarefa fácil mas é possível, tem é de ser continua a vigilante.

beijinho

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Não conheço a série, porque a televisão em minha casa só tem 2 canais (RTP 1 e 2) e alguns de informação( desde a América Latina a África), mas que também só vejo por razões profissionais,ou qaundo algo de importante acontece que pretendo seguir.
A questão que coloca aqui hoje tem sido muito debatida na Europa e a Comissão acaba de tomar medidas para tentar minimizar os estragos e proteger as crianças.
No entanto, sempre que leio um post sobre esta temática não resisto a perguntar: Mas afinal, porque é que criticam a China quando corta o acesso a determinados sites e canais de televisão? Ah, pois é!

Conchinhas (muito) aveludadas
PS:Apetecia-me ficar aqui umas horas a debater este assunto

Antonio saramago disse...

ATÉ OS DESENHOS ANIMADOS JÁ SÃO Á BASE DA VIOLÊNCIA!!!!

Gi disse...

Só vejo os 4 canais normais e não conhecia este programa.
Não ponho as mãos no fogo por absolutamente ninguém, nem mesmo por mim;
Tenho sempre esperança que em mim e nos outros o bem e bom que temos e somos prevaleça sobre o nosso lado mau.
Tento estar atenta aos sinais dos predadores e, principalmente, das possíveis presas que se aninham à minha volta ou em mim.

Si disse...

Comentário de Luís Castro, do blog Cheiro a Pólvora, a este post:

"Si,
a sua pergunta fez-me um arrepio na coluna.
Ainda tenho "pele de galinha" nos braços.
Por mim, ao tentar imaginar-me nesse papel, de certeza que não.
Mataria se alguém o fizesse aos meus filhos!
Bjs
LC"

Obrigado, Luís, pelo seu comentário. Volte sempre.

BlueVelvet disse...

Si,
não conheço o programa de que que fala, mas se existir na realidade. acho óptimo.
Auqlquer que seja a forma de apanhar esses tarados, para mim é boa.
Nunca entrei em salas de chat nem sei como se faz, mas ianda há uns tempos fiquei estupefacta quando um tipo foi apanhado cá porque parece que tinha material pedófilo no computador.
Alegou que não sabia porque eram pessoas que lhe entravam pelo HI5.
E mesmo que não fosse verdade, o facto é que o Hi5 que aparentemente é uma coisa sem problemas nenhuns, a maior parte das pessoas que juntamos. não conhecemos, porque vêm por intermédio de outras que v~em por intermédio de outras e assim sucessivamente até que chagamos ao pico da oirâmide, onde finalmente está uma pessoa que conhecemos.
Não estive com meias medidas: fui-me ao meu Hi5 e retirei TODAS as pessoas que me tinham chegado assim.
Com a net todo o cuidado é pouco.
Todo!
Sei de gente malformada, mentirosa e outras cositas más, até nos blogs.
Portanto....
Beijinhos de mim para Si

Patti disse...

Só agora tive um minuto e então é assim:

Já lhe tinha falado deste programa e o caso mais repuganante foi o de um rabino de 70 anos. Até o apresentador que está habituado a lidar com essa corja, ficou sem saber o que dizer.

E ainda do outro que apanhado num programa, passadas umas semanas, caiu de novo.

Ou aquele que levou a filha bebé ao colo.

Eu sou a favor deste tipo de abordagem e devia ser em horário nobre, apra o mundo todo os ver!

Si disse...

Ka,
As minhas reservas sobre a blogosfera e a resistência que tive em começar um blog têm a sua origem precisamente aí, na constatação de que há um aproveitamento escandaloso destes meios para todo o tipo de actividades encapotadas. Apesar disso, arrisquei e até agora não me arrependi, sendo que, e até prova em contrário, como já várias vezes demonstrei, admiro os frequentadores deste blogobairro.
A vigilância é, realmente fundamental, mas não suficientemente eficaz para que, até os adultos, se apercebam, na realidade, do que está por trás do outro pc e a minha revolta surge ainda maior quando chego à conclusão que, em grande parte das pessoas, a 'ocasião faz o ladrão'.

Si disse...

Carlos,
Isto, realmente dava pano pra mangas, mas a minha questão vai mesmo mais longe: o que fazer para proteger os adultos de si próprios??
Quanto à China, já sabe que a minha visão é muito mais limitada do que a sua, porque lá viveu e eu só lá estive por uns dias, mas lhe digo que muito bom seria se as limitações impostas tivessem a intenção de proteger, mais do que cercear ideologicamente.....
Como diz, e bem, passavam-se aqui horas a falar sobre isto.

Si disse...

António,
As mudanças são muitas, sim, tantas que é difícil saber lidar com elas.

Si disse...

Gi,
Que comentário tão sincero, ponderado e acertado!
É isso, exactamente. Não podemos fazer mais nada.
Obrigada e beijinhos

Si disse...

Velvet,
O Hi5 sempre me fez muitas 'cócegas na caraminhola'.
A partir do momento em que consultei o perfil de alguns colegas de escola da minha filha e vi que as fotos deles eram predominantemente tiradas para se ver o corpo, mais do que a cara, deles e delas, e que me apercebi que os 'amigos' eram adicionados em rede, mais pelas características físicas do que propriamente pela 'amizade', para mim ficou plenamente esclarecida a função deste 'clube'.
E assisti à reportagem de que fala, e que, curiosamente, não sei se já reparou, não teve mais eco na comunicação social. Está tudo dito, não está??

Si disse...

Patti,
Como lhe disse na altura, falar sobre este programa era a sequência natural do post da semana passada. Já assisto há algum tempo e nunca deixo de ficar enjoadamente surpreendida, sejam eles rabinos de 70 anos ou putos de 20. E sempre que vejo, faço muitas reflexões e muitas comparações, com um cocktail imenso de sentimentos: raiva, ansiedade, preocupação, extrapolação, dúvida, enfim, uma série deles que desaguam na mesma pergunta que fiz ao Carlos: quem defende os adultos de si próprios, quando a ocasião faz o ladrão?