terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

no gabinete





Já andava há algum tempo com umas insinuações altamente desagradáveis, espetadela aqui, alfinetada acolá, num jogo de esconde-esconde de moer a paciência a qualquer um.
Como qualquer bom dissimulador de comportamentos, arreganhava-se no sorriso, sempre que o enfrentavam, para logo se vingar, causando mais algumas horas de um ambiente carregado de mau estar.
Que gozo imenso lhe dava provocar dúvidas e interrogações entre os colegas de trabalho da sua secção, despoletando investigações internas, por agentes externos, deixando todos a perguntar entre si 'mas afinal és tu?? ou é ele? ou será que serei eu??'
Manhoso, o que ele se ria de todos, ao tirar-lhes o descanso nocturno, exibindo uma inocência perfeita, sem arredar um milímetro do seu posto, não fosse a desconfiança geral cair-lhe em cima.
Insidioso, gostava, particularmente, de lançar suspeitas sobre aquele colega mais novo, o contratado a prazo, aquele que toda a gente sabia que tinha uma função, no mínimo, discutível e estava nítidamente deslocado, com todos os agentes de investigação externa de olho nele, pronto a pô-lo na rua, sem apelo nem agravo, ao mínimo derrapanço.
O desespero começou a instalar-se, com os relatórios que iam sendo fornecidos, mas, como não sou mulher de meias tintas e já lhe tinha feito a radiografia, apontei-lhe as baterias todas, num braço de ferro que ou ia ou rachava!
Chamei o investigador externo-chefe, que lhe entrou pelo gabinete adentro, sem pedir licença, o revistou de cima abaixo e lhe desatarrachou as defesas até à raíz do problema, até àquele podre da sua existência, que ele trazia tão bem escondido, que pensava ser impossível alguém descobrir.
Ainda deu alguma luta, tentando negar as evidências, mas a prova ficou à vista de todos. Não teve outro remédio senão render-se envergonhado e ser expulso do seu próprio gabinete, para sempre.
Finalmente descansei.
O pré-molar desvitalizou-se e o siso, afinal, era inocente.


15 comentários:

Devaneante disse...

Fantástica descrição! Adorei! Não há dúvida de que são mesmo uns malandros... E apesar de ninguém gostar particularmente dos investigadores externos-chefe, a verdade é que são eles que nos vão valendo em certos momentos de aflição.

salvoconduto disse...

Tenho aqui um que se anda a armar em esperto, palpita-me que o vou mandar para o desemprego...

Pitanga Doce disse...

Sabes que o único siso que me nasceu teve de ser extraído? Deve ser por isso que às vezes passo-me dos carretos..

beijos no ar refrigerado.

Gi disse...

O pré-molar queria amolar a paSIência, não era?
Tivesse ele tido siso e teria, concerteza, chegado ao posto de molar.
Agora assim, aqui para nós e entre dentes, "foi com os porcos".

paulofski disse...

Hoje o Google Reader abriu-se comprometido com algo. A princípio não me dei bem conta da razão mas assim que rodei o scrool do rato não deu mais para disfarçar. Querem lá ver que sou tema de capa no SItio da SI, querem lá ver! Até que eu queria muito ver mas o trabalho neste gabinete não me dava tréguas e assim fiquei naquela expectativa de saber o que aquele título tanto me inquietava. Um par de horas depois não deu para aguentar de tanta curiosidade. Entrei de rompante pelo blogue adentro mas aquela imagem não me surgia familiar, não com o que eu poderia imaginar e isso deixou-me intrigado. Uma cadeira de cabeleireiro, será! Pus-me a ler. Fala em dissimulação, vingança, sorriso arreganhado, mau estar! Mau, mau, não me está agradar, é melhor ler até ao fim. A colecção de adjectivos não parava de me espicaçar. De manhoso a insidioso, eu! Mas porquê se só não faço mal nem a uma mosca! O desespero instalava-se em mim à medida que lia o texto, tento até se criado a suspeita que esta mulher me estaria a desafiar para um braço de ferro! Subitamente dei um salto na cadeira, diz aqui que vai invadir o meu gabinete com forças operacionais e que me expulsar daqui, onde, porquê!? Tão tonto que já estava com a conversa, sentia a cabeça à roda como se fosse desatarrachar do meu corpo, quando nisto passa por mim um pré-molar a fugir e o vizinho do lado a conter o SIso. Ufaaa… mas que luta me deste e susto me pregaste!

Ka disse...

ahhhhh divinal!!!

São uns malvados :S

Espero que a recuperação já esteja a correr sobre rodas :)

beijinhos

Patti disse...

Olhe que tem que se dar por satisfeita, um sio é dez vezes pior e eu que o diga.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Esses pré-molares são uns convencidos e um bocado cobardolas. Quando os chefes peguntam "quem fez esta borrad" são os primeiros s dizer: "Não fui eu". Depois, o resultado está à vista. Felizmente que há pessoas como a Si que lhes explica tudo direitinho: "julgam que fazem muita falta para a trincadela no bife? Desenganem-se! Se não querem trabalhar, vão já para a reciclagem.

Si disse...

Paulo,
Fartei-me de rir com o filme que fez com o filme que contei!!!
Dava para um post!

Si disse...

Patti,
O(s) 'contratado a prazo' continua a ser vigiadíssimo pelos agentes de fiscalização externa e o posto ainda não está bem seguro....ao menor sinal de alarme, nem é gabinete, é mesmo bloco! :( :(

1/4 de Fada disse...

Os pré-molares não são de confiança que um dos meus já me deu mais trabalho do que todos os contratados a prazo juntos...

Filoxera disse...

Às vezes, tem de ser...
Beijos.

Miepeee disse...

Nem me fale em dentes!! Acho que anda aqui um a tentar a sorte dele e eu que nao confio nada nos dentistas desta terra.
Beijinho.

Antonio saramago disse...

O Grande mal disso é mesmo quando é com a intenção de dar graxa e subir á paula disso, sem importar se prejudica ou não uma terceira pessoa.

BlueVelvet disse...

Ah, ah
não sei se ainda estou debaixo da influência do livro de espionagem que li, mas juro que pela imagem e pelo princípio do texto, tínhamos aqui um enredo no género.
Ainda me ri. Felizmente que os meus sisos estão de boa saúde. Os caninos é que andam danadinhos para morder.
Beijinhos de mim para Si