terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

energias



Ver a vida por um fio e sentir os choques que este nos provoca, será, talvez, a única oportunidade que temos para inverter as polaridades

17 comentários:

Pitanga Doce disse...

Sim. E somos pequenos e somos nada. Tudo ali...na fração de um segundo.

boa noite Si

Antonio saramago disse...

OH Minha Linda!!!Eu apanho com cada choque que até ando de roleta!!

pedro oliveira disse...

não está fácil.

Sónia disse...

Talvez seja mesmo...

Fenix disse...

Não sei se será a única mas é com certeza uma oportunidade a não perder e obrigatória para quem quiser continuar a viver.

Si disse...

Vizinhança,
Desculpem a minha ausência, provocada por uma janela que emperrou lá na minha casa (aquela mesma que me dá esta vista maravilhosa sobre o bairro) e que, teimosa, não me deixava comentar os vossos blogs, nem publicar os vossos comentários.
Já a oleei e agora, está aberta de par em par para vos receber, juntamente com este sol maravilhoso!!
Beijinhos para todos!

Patti disse...

Não concordo, querida afilhada. Temos imensas oportunidades para inverter as coisas, quase todos os dias até.

O problema está em que preferimos não ver, não reagir, virar a cara, aceitar o comodismo e seguirmos aquele provérbio destestável: "mais vale um pássaro na mão, que dois a voar"

Si disse...

Ó querida Madrinha,
Mas eu concordo em absoluto consigo!
O fio eléctrico da vida dá-nos choques todos os dias e são eles que nos impelem a continuar!
Inverter as polaridades, não será mais do que tornar todo o negativo em positivo, tal e qual como quando, a uma bateria descarregada, damos energia para que volte a trabalhar.
Beijinhos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Se não formos comodistas, não nos faltam ocasiões para invertermos o rumo das coisas. O problema é que estamos sempre à espera que alguém o faça por nós, para.... podermos criticar depois.
No entanto, em termos de Yn e Yan, a afirmação está correcta!

1/4 de Fada disse...

A mim, têm sido os "pontapés" da vida que me têm feito crescer. De certa forma, estou-lhes agradecida...
Estranhei a sua ausência, sim, mas pensei que estava de férias à conta do saco azul, a meias com a nossa presidentA!!!

Si disse...

Ai Fada, Fada!
Acha que se eu tivesse o saco azul da PresidentA ainda estava aqui???
Já estava era na Patagónia....rsrsrsr
Beijinhos

paulofski disse...

Não direi que seja a "única" mas a oportunidade para, talvez, atrair os opostos.

BlueVelvet disse...

Uma bonita reflexão com a qual não estou completamente de acordo. Às vezes levamos tantos choques que ficamos paralisados.É o chamado Estado de Choque.
Também estava preocupada com a sua ausência. E tive algumas desconfianças. Pensei que tivesse ido com a PresidentA até Chinatown.
Beijokas de mim para Si

Soares, M. disse...

Bom dia Si, sou meio nova por aqui mas gostei muito do seu blog.
O choque humano se resume na inversão, talvez por isso que tratamos com compaixão aquilo que estamos prestes a perder. A mudança repentina, que é provocada pela visão da vida por um fio, nos dá a imagem de que podemos recuperá-la se formos drásticos o suficiente. Talvez por isso que muitos passam a se isolar ao passar dos anos, eles foram vendo que por mais que se cobrem, tem hora que não há nada a ser feito!

Abraços

Si disse...

Velvet,
Obrigada pela preocupação.
Sentimos logo a falta uns dos outros, não é?
Ainda por cima, com este sol, não poder vir cá para fora para o pátio, cumprimentar os vizinhos, arreliou-me tanto, que me deu vontade de desemperrar a janela ao pontapé e à lapada!!
rsrsrsr
Beijinhos

Gi disse...

O que vale é que para alguns estes fios dão choques e fazem-nos estrebucar:
Benditos fios da nossa Vida.

Ouça lá enviou a janela emperrada para mim?
Agora sou eu que estou com uma cortina opaca á minha frente; bem lá consegui vir ao seu blogue e fiquei até mais tarde só para comentar os meus "habitueés".

Si disse...

Ohh, Gi!
Tem de fazer como eu, se não for a bem, vai a mal!!
Foi a chuva, foi a chuva que empenou estas dobradiças malvadas!
Beijinhos