quarta-feira, 20 de maio de 2009

cumplicidades # 2


Depois de duas décadas, gostava de conversar contigo como se fosses eu, para te poder perguntar as mesmas perguntas que me faço, sem, no entanto, ficar eternamente à espera de respostas que não sei dar, nem com as dúvidas que não consigo tirar.

Seria interessante, que, neste diálogo monologado, pudéssemos entrar um no outro para discutir taco-a-taco estas eternas interrogações, que por mais que sejam objecto de reflexão, insistem em permanecer.

A tua eterna sabedoria impressiona-me pelo conteúdo, mas não me chega, há coisas que não me dizes e perdes pela exactidão, há outras que me fazes descobrir, mas não me esclareces.

Que tal fazermos o download da versão actualizada do Dicionário de Emoções??


16 comentários:

Gi disse...

Está a falar com o Google Reader?!!!! Olhe que parece!
Ele hoje só deve estar para quem lhe pôs uma cunha.
Se não tivesse vindo aqui, porque achei estranho, hoje pensava que não tinha escrito.

Vou ali fazer um download, um reset.

Luísa disse...

Querida Si, presumo que se «dirigirá» ao Dicionário das Emoções. Mas sabe que, para mim, faz a perfeita descrição do que entendo por intimidade profunda, na sua parte intelectual ou espiritual, essa mesma partilha, essa busca de compreensão e soluções no outro, esse conversar com o outro como se ele fosse eu. Será possível sentir uma intimidade profunda com um livro? Gostei muito de ler. :-)

Si disse...

Gi,
Hoje, e muito especialmente, o interlocutor é outro... ;)
Beijinhos

Si disse...

Luísa,
Todos nós somos livros, uns mais abertos do que outros, mas todos ainda, e felizmente, com muitas páginas em branco.
E os dicionários, de tempos a tempos, têm que ser actualizados, porque todos os dias surgem novos significados, não é?? ;)

Si disse...

AH! E Luísa, entendeu muito bem!..

paulofski disse...

Ora estamos bem ora estamos mais ou menos mas é sempre um prazer ler-te.

Já agora, eu andava cá a desconfiar que o GR hoje tinha feito gazeta às entregas da correspondência pelo blogobairro!

Si disse...

Paulofski,
Ora estamos, mesmo, muito bem!
Este não é um post negativo, bem pelo contrário!!:)
Qaunto ao GR, tenho a impressão que anda um bocadinho a pensar que já é funcionário do Estado, com 20 anos de carreira....rsrsrs

Patti disse...

Pode conversar à vontade, mas nunca vai poder ser como o faz consigo própria, nem espere respostas muito convincentes. De todos os modos, continue a tentar, é sempre a melhor opção.

Si disse...

Patti,
É para isso que servem os downloads, temos que nos actualizar permanentemente e, na maioria das vezes, as respostas até já vêm incluídas!

Pitanga Doce disse...

Espera aí que estou tentando virar a cadeira para baixo e ver se consigo saber o que se passa aqui!

beijinhos e hoje até o "logo" do Google está pra Ciência. Será devido ao dia especial? hehe

Si disse...

Ai, Pitanga, não estrague o penteado, nem faça força na asa, fáxavor!!
Se prometer não fazer esforços, eu explico: este post é a minha maneira de comemorar 20 anos com a minha cara-metade, homenagear a cumplicidade que temos e ver o que podemos ainda melhorar.
Não sou muito de posts pessoais, mas esta data não podia deixar passar, não é??
Pronto, agora que já me confessei, veja lá se se põe direita, que o meu seguro de acidentes pessoais não cobre o blog, sim??

Justine disse...

O mais importante, o essencial, o âmago de um casal: o diálogo, a cumplicidade. Havendo isso, tudo o mais se pode alcançar.
Bom aniversário:))

Si disse...

Justine,
Certíssimo! Só temos é que o cultivar e manter!
Obrigado :))

salvoconduto disse...

Nestas coisas de downloads é preciso muito cuidado e então de emoções, vão logo dizer que é pirataria...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

As emoções são tão voláteis,frágeis e mutantes, que um dicionário de emoções estrá sempre desactualizado.

Pitanga Doce disse...

Não te preocupes com o Seguro que já tenho a cadeira na posição certa. 20 anos, hein? É tanto tempo, é tanta vida que a gente nem lembra de quando não era casada!

Parabéns aos dois e acrescento ao que disse a Justine: bom humor! Desde o começo, é imprescindível.