quarta-feira, 19 de agosto de 2009

antes do Tempo ser Tempo # 3


Na Terra do Fogo, antes do Tempo ser Tempo, assim que o sol se punha, a luz adormecia. Agasalhados pelo véu escuro da noite, Hipnos, Morfeu e Phantasos, desciam as escadas dos cúmulo-nimbos, com os passos abafados pelos estratos, e com as mãos cheias de feixes de cirros e de ventos indomados, recolhidos em Neptuno, onde as temperaturas são tão baixas, que congelam o pensamento dos Deuses. Pé ante pé, invadiam com eles as mentes mortais, abandonadas nos seus braços, sem resistência, povoando o sono, o sonho e a fantasia de seres adormecidos, com as imagens divinas, flutuantes à deriva na superfície dos sentidos, irreverentes e inquietas umas, serenas e indolentes outras.
Numa das noites, fluiu-lhes das mãos, um pensamento de Artémis, que logo foi pousar no inconsciente da mais bela das donzelas em repouso.
Soprado com suavidade por Morfeu, espalhou-se, primeiro sem definição, depois com nitidez e, à medida que se ia clareando, tornou-se no sonho que mudaria toda a vida de Eléia.
Viu-se no meio da floresta. No meio de árvores altas e frondosas, que espreguiçavam os ramos para o sol. Folhas de hera, à mão de semear, para delas fazer uma coroa que segurasse com jeito o longo cabelo. Um regato, salpicado pelas pedras e pelas ondas circulares dos peixes que assomavam à superfície, cheio de uma frescura que apetecia beber. Ao longe, cânticos de aves-liras, que cortavam o ar e manchavam o céu das cores do arco-íris. Mais um sopro ligeiro e Eléia até conseguiu sentir o cheiro do visco e do orvalho da manhã, naquele bosque paradisíaco.
Impulsionado por Phantasos, o vento abriu, então, uma clareira na parede de musgo e deixou entrever uma passagem que atraiu Eléia para o seu interior, fechando-se de seguida, a moldar-lhe o corpo e empurrando-a para a frente até um jardim, onde, escondido, brincava Hermes, experimentando a sua destreza no domínio das sandálias aladas.
Sem se surpreender pela presença, Hermes tomou nos braços Eléia, disparando nos céus do bosque, atravessando as nuvens, competindo com os falcões, voando em círculos, a pique e a planar, sem lhe dar tempo a respirar, a protestar, a reagir. Arrebatada naquele abraço, Eléia mais não fez que enlaçar aquele corpo e deixou-se ir, de olhos fechados, contraída de susto e de emoção.
Amanheceu. E Eléia acordou, ainda agarrada ao leito, de dedos crispados e o coração acelerado.
Ainda não sabia que, em breve, seria mãe de uma menina com asas, linda, mágica e perfeita para cuidar dos bosques mágicos que os Deuses do Olimpo usam para brincar.


**Post publicado em Fevereiro de 2009

22 comentários:

Devaneante disse...

Continuo a gostar! Uma história divina...

Curiosamente também costumo colocar ligações à wikipedia nos meus textos.

BlueVelvet disse...

Está explicado o meu gosto pelos lenços e demais coisinhas da Hermés.
Ai, que disparate. É Hermes. Acha que se me portar bem ele também me enlaça e me leva para o tal jardim que as fadas usam para brincar?
Beijinhos de mim para Si

Gi disse...

Estamos em plena época de enamoramento.
Também teremos histórias cupidas?

Gosto muito, mesmo muito, deste imaginário.
Gosto tanto que a minha vontade era ficar aqui queda e muda.

Rafeiro Perfumado disse...

Muito se divertiam os deuses gregos, não há cá luzes a fazer o trabalho por eles...

Rafeiro Perfumado disse...

Muito se divertiam os deuses gregos, era chegar e afinfar...

Patti disse...

J. K. Rowling? It's you?

Ai que vamos ter temos best seller nas livrarias!

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Uma homenagem sntecipada a S. Valentim? Talvez uma sugestão para o homem de Mora que hoje abancou lá no Rochedo?(rsrsrs)
Lindo, Si!

pedro oliveira disse...

Ker estas histórias faz com esqueçamos esta vida rotineira e sem grandes motivos para sonhar.
Belo texto de encantar.

paulofski disse...

Deixei para mais tarde ler com a atenção que merece ter.

Que lindo Si, estou a pensar no que te pergunta a Patti.

It´s a kind of magic!

1/4 de Fada disse...

Não posso crer que seja a última. Acredito antes que lhe tomou o gosto e vai continuar em breve. Ainda estou em "estado de graça". Lindo.

Si disse...

Vizinhança,
Obrigada a todos pelos comentários que me deixaram e por se deixarem ir nesta onda de fantasia sem se cansarem.
Já disse isso aqui e repito: gostar muito de escrever, só tem sentido quando há alguém que goste de ler. E vocês são fantásticos.
Beijinhos para todos!

P.S: Patti e Paulofski - Fazem o favor de não exagerarem e me deixarem com a lagrimita no olho???

Patti disse...

Eu vi logo que tinha a vista toldada, para não ver o meu estendal!
Ele lá está, sempre esteve e continuará.

Humpf! Pc's dos chineses é o que dá!

Si disse...

Pois...os pc's que a Sra. Presidenta arranjou... é o que se vê....as condições de trabalho que arranja a quem tanto se dedica ao blogobairro... rsrsrs

P.S. Segue resposta em 'serious mode'

de dentro pra fora.... disse...

Vê se falas lá com os teus "Deuses" e me arranjas um parzinho de asas pra mim também :)

Lindo...

salvoconduto disse...

Tempo é o que me tem faltado, mas hoje resolvi visitar os amigos cá do bairro e ver se ainda estão todos vivos.

Ó vizinha vamos lá esclarecer uma coisa, a renda agora deposito-a na Caixa, quem quiser que vá lá levantá-la.

Justine disse...

Oh deuses todos do olimpo e arredores, que bom é viajar por este mundo onírico, de olhos fechados e coração escancarado!

Dulce Braga disse...

Deliciosamnete lindo:)

Pitanga Doce disse...

Ai que eu até senti umas asinhas aqui nos pés!

cristina ribeiro disse...

Esvoaçante; diáfano,Si...

Kristal disse...

Gostei muito,embalei-me um pouco nas nuvens,no etéreo,no sem-espaço,por fim abri os olhos e desci à terra.
É bom flutuar,de quando em vez!
GOSTEEEI!
Abraço

Luísa disse...

Obrigada, Si, por este minutinho de prazer sonhador, esvoaçante, livre… e cheio da tão apetecida frescura das florestas, do orvalho, do vento e das nuvens. :-)

Maria disse...

Muito bonito "Estou nas nuvens"...